domingo, 18 de fevereiro de 2018

Testemunho de fé

Pela missionária Jizah Helen

A fé sempre me levou ao mais alto e sublime trono de Deus. Desde a minha tenra idade tomei posse da fé, pois vi que através dela eu chegaria à presença de Deus e que também poderia transpor os montes das dificuldades. Através da fé vi milagres acontecer no seio da minha família: minha casa foi restituída, Deus abriu a minha madre e, tempos depois, trouxe a minha família à ÁFRICA... Através da fé e com fé vivemos no país de GÂMBIA.
Sem fé é impossível viver e agradar a Deus, bem sabemos, e foi agradando a Deus através da fé que Ele me concedeu a grande VITÓRIA que agora compartilho com todos vocês irmãos e amigos...
No dia 28 de Janeiro, eu estava sentada com minha filha em minha casa, no início da noite, quando fui fortemente afligida por uma dor no meio das costas, irradiando em direção ao peito, deixando-me sem ar e sem voz. Foi uma dor inesquecível! Além de ter ficado sem voz, minhas mãos tornavam-se escura... Quando depois de algum tempo consegui falar para pedir socorro, senti meu corpo desfalecendo e vi minha filha correndo de um lado para outro sem direção.
Meu esposo, já em angústia com lágrimas nos olhos, clamava a Deus. Nesse momento, eu comecei a clamar o sangue de JESUS. Estava convicta de que naquela hora só o sangue do cordeiro poderia me livrar. 
Fiquei alguns dias com a voz embargada. Na sexta-feira seguinte, recebi a visita de duas missionárias que oraram por mim, e enquanto estavam orando, Deus relevou para elas que sangue havia sido derramado para me destruir. Guardamos estas palavras conosco e  nos mantivemos em silêncio esperando algo mais da parte do SENHOR. No domingo, meu esposo estava na aldeia quando recebeu uma mensagem do Brasil. Na mensagem, alguém lhe dizia que enquanto orava por mim, Deus havia mostrado que eu tinha sido atingida por uma seta.
Bendito seja o Deus de Abrão que me livrou de todo mal... Fui atingida, mas não destruída.
Somos gratos a Deus pelo seu cuidado para conosco e agradecemos as orações de todos os irmãos que com zelo têm orado por nós. Somos carregados nos braços pelas interseções feitas especialmente pelo departamento de oração, e pessoas que não esquecem de orar por nós missionários. Esse cuidado vale muito!  
A fé tem nos impulsionado a crer que o sobrenatural de Deus acontece quando estamos debaixo da sua potente mão. Em Cristo somos mais que vencedores.
Eu e a minha família não vivemos sem fé...


sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

A lição da borboleta

Autor desconhecido
Um dia, uma pequena abertura apareceu num casulo. Um homem sentou e observou a borboleta por várias horas, conforme ela se esforçava para fazer com que seu corpo passasse através daquele pequeno buraco. Então pareceu que ela havia parado de fazer qualquer progresso. Parecia que ela tinha ido o mais longe que podia, e não conseguia ir mais.
O homem então decidiu ajudar a borboleta: ele pegou uma tesoura e cortou o restante do casulo. A borboleta então saiu facilmente. Mas seu corpo estava murcho, era pequeno e tinha as asas amassadas. O homem continuou a observá-la, porque ele esperava que, a qualquer momento, as asas dela se abrissem e esticassem para serem capazes de suportar o corpo que iria se afirmar a tempo.
Nada aconteceu! Na verdade, a borboleta passou o resto de sua vida rastejando com um corpo murcho e asas encolhidas. Ela nunca foi capaz de voar. O que o homem, em sua gentileza e vontade de ajudar não compreendia, era que o casulo apertado e o esforço necessário à borboleta para passar através da pequena abertura era o modo pelo qual Deus fazia com que o fluido do corpo da borboleta fosse para as suas asas, de forma que ela estaria pronta para voar uma vez que estivesse livre do casulo. 
Algumas vezes, o esforço é justamente o que precisamos em nossa vida. Se Deus nos permitisse passar através de nossas vidas sem quaisquer obstáculos, ele nos deixaria aleijados. Nós não iríamos ser tão fortes como poderíamos ter sido. Nós nunca poderíamos voar.



Deus nos prepara com provas para sermos fortes; e Ele sabe exatamente como nos preparar. Quando nos desesperamos e murmuramos fazemos o caminho de nossa vitória ficar mais longo. Assim como aconteceu com o povo de Israel  na peregrinação pelo deserto para chegar à Terra Prometida. 
Medita nisso:

Eu pedi forças… 
e Deus deu-me dificuldades para fazer-me forte.
Eu pedi sabedoria… 
e Deus deu-me problemas para resolver.
Eu pedi prosperidade… 
e Deus deu-me cérebro e músculos para trabalhar.
Eu pedi coragem… 
e Deus deu-me obstáculos para superar.
Eu pedi amor… 
e Deus deu-me pessoas com problemas para ajudar.
Eu pedi favores… 
e Deus deu-me oportunidades.
Eu não recebi nada do que pedi… 
mas eu recebi tudo de que precisava.

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

A COURAÇA DA FÉ

Crônica de Margarete Solange
O ser humano é um sonhador. Sonha dormindo, sonha acordado. É fundamental que o homem tenha sonhos e lute pelos seus ideais. Mas, por vezes, alguns sonhos parecem fugir do alcance de nossos braços. Não que eles sejam propriamente inatingíveis, é que, às vezes, nossos braços são curtos para alcançá-los. É exatamente nesse momento que entra nossa fé. Porque pela fé alcançamos aquilo que humanamente parece impossível. “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que não se veem.” (Hebreus 11:1) Precisamos exercitar e alimentar nossa fé. Aprendi desde cedo, com minha querida mãe, que Jesus pode todas as coisas. Ela tinha um jeito de falar que eu admirava bastante: sempre acreditava que conseguiria alcançar aquilo que pedia a Deus em oração. Tinha uma grande confiança em Deus. Todavia, naquela época eu era pequena demais para entender que esse proceder se chamava FÉ. Aprendi com ela que todos os nossos projetos se iniciam pela oração. E, se o seu alvo se mostrasse escapando do seu alcance, ela reforçava as orações, fazendo votos ao nosso Deus. Com isso, exercitava sua fé e a minha. Considero a minha fé uma rica herança de minha mãe, visto que “a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus.” e eu cresci ouvindo os seus testemunhos acerca dos feitos de Jesus. Quando pequena, ouvia muita gente falar de milagres, mas não sentia em algumas pessoas ou religiões a convicção que eu sentia quando minha mãe falava. Existia muito de superstição na fé de algumas pessoas, enquanto que no falar dos crentes, eu sentia uma coisa diferente, algo vivo que mexia comigo de maneira sobrenatural. E era essa fé viva que eu desejava ter dentro de mim desde pequenina. O mover do Espírito que eu sentia no meio dos crentes, atraia-me, tocava-me profundamente. Esse mover era o mesmo que, nos tempos de Cristo, agitava as águas do tanque de Betesda, onde o paralítico aguardava há 38 anos. Esse mesmo mover das águas ainda alegra o povo de Deus, fazendo-os saltar em glórias e aleluias. Hoje compreendo o real significado do mover dessas águas: é o fogo do Espírito, o pentecostes que iniciou com os primeiros cristãos, aqueles para quem Jesus lançou um singelo convite, dizendo: “Vinde a mim”.





Fonte 
Margarete Solange, 
O crente não escolhe, 
é um escolhido.
Editora Queima Bucha, 
2011


Postado em 28/maio/2010 no blog pensoefalo.blogspot.com

Margarete Solange
.

sábado, 20 de janeiro de 2018

Bom Pastor I - Aniversário de Circulo de Oração

A igreja Assembleia de Deus, congregação do Bom Pastor I, setor IX coordenado pela irmã Cristiane, celebrou na última sexta-feira, 19 de janeiro de 2018, o vigésimo terceiro aniversário de Circulo de Oração de adultos. A preletora da tarde festiva foi a irmã Donald do centenário IV, e no louvor a participação de Francisca Costa do Centenário I. O abençoado evento de gratidão por mais aniversário, contou com a presença da ir Suzana Galvão representante da coordenação geral de Circulo de Oração. 



Belo Horizonte 2 - Aniversário de Circulo de Oração

Dia 17 de janeiro do corrente ano, o Círculo de Oração de adultos do Belo Horizonte II que tem como dirigente a irmã Ilaneide, Angela como vice e Edinaide como secretária, comemorou 24 anos de existência. O evento teve como tema Ne. 2;4  que diz: “Disse-me o rei: que me pedes agora? Então, orei ao Deus dos céus”.  A preletora convidada foi Madalena da Alameda e no louvor Indianara Carvalho do Vingt Rosado II e ainda a participação do conjunto do setor Louvores de Sião. Na ocasião coordenação geral esteve representada pelas irmãs Suzana Galvão e Helení Firmino.









  



quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Obreiro Aprovado



O conselho dado pelo apostolo Paulo na carta a Timóteo não necessita de uma tradução mais apurada, visto que as suas palavras são auto explicativa, é preciso que nos apresentemos a Deus como obreiro aprovado que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade, de modo que para manejar a palavra da verdade, ou seja as sagradas escrituras, se faz necessário que hajam  leitura e estudo constante, fazendo assim o Espírito Santo se encarrega de capacitar o obreiro com os retoques finais.


Imagem do site:
sumosacerdote.wordpress.com 


quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Boa Vista I - 59 anos de círculo de oração

O Setor XI,  que tem como coordenadoras  as irmãs Neves Gondim e Glenda, comemorou dia 02 de janeiro de 2018 o aniversário de 59 anos de círculo de oração da  Boa Vista I. A congregação tem como dirigente o pastor Antônio Felipe e as dirigentes do Círculo de oração local são as irmãs Mimosa e HeleninhaA coordenadora geral do Círculo de Oração de Adulto, Aparecida Borges, foi também a preletora do evento. Nos louvores a participação do Conjunto Cântico de Ana. Nas imagens a seguir alguns registos do abençoado evento.




















quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

CONFRATERNIZAÇÃO 2017

Sexta feira, dia 22 de dezembro, as Mulheres que Oram ao Senhor se reuniram para  a confraternização anual do Círculo de Oração de Adultos da AD que tem como coordenadora geral a irmã Aparecida Borges e como vice-coordenadoras as irmãs Suzana Galvão e Helení Firmino. A reunião, que também incluía na pauta a celebração do Aniversário da Irmã Suzana, inciou com uma palavra de gratidão e encorajamento por parte da coodenadora Aparecida. Em seguida, foram realizadas algumas atividades de lazer e descontração, além da brincadeira do "Amigo cheiroso". A chegada surpresa da convidada vinda de Genebra e outras brincadeiras arrancaram dos presentes alguns sorrisos e sonoras gargalhadas. Por fim as irmãs Genebra e Genibra, com olhos vendados, foram recolher as garrafas que viram espalhadas pelo chão, porém misteriosamente as garrafas ficaram invisíveis até mesmo para quem estava de olhos bem abertos. Veja na sequência o registro de cada momento do prazeroso evento.

Coordenadora geral a irmã Aparecida Borges,  Suzana Galvão e Helení Firmino como vice-coordenadoras. 

Inicio do Evento








Chegada da convidada especial vinda de Genebra










Palavra de gratidão e encorajamento pela irmã Aparecida











 Homenagem de aniversário
 Suzana Galvão















Momento de descontração:
Algumas dinâmicas





Amigo Cheiroso




  
























 Com vocês: Genibra!
Parece com alguém que vocês conhecem mas não é, pois Genibra é irmã de Genebra que você também não conheciam até ela se apresentar na confraternização


 As irmãs Genebra e Genibra






Fotos com Genebra e Genibra













Brincadeira 
Genibra e Genebra procurando as garrafas (invisíveis) no chão







Fotos finais